Arquivo mensal outubro 2015

Instaladas cinco comissões para analisar MPs

Matéria divulgada em Política, www.camara.leg.br – 14/10/2014.

A hora e a vez de Goiás

Nota publicada em Crônicas & Outras Histórias, Jornal O Popular – 12/10/2015.

Audiência debate novas ações para combater a criminalidade

Nota publicada na Coluna Com a palavra, Jornal O Repórter – 10/10/2015.

Prefeito e vereadores fazem vistoria em obras do estádio

Matéria publicada em Esportes, Jornal Estado – 10 a 16/10/2015.

Rejeitada exigência de mais documentos para obter crédito rural

Matéria divulgada em Finanças Pessoais, www.investimentosenoticias.com.br – 09/10/2015.

Instalada na Câmara frente de incentivo à doação de órgãos

Foi lançada, na Câmara dos Deputados, a Frente Parlamentar de Incentivo à Captação e à Doação de Órgãos. O grupo, formado por 250 deputados, iniciou suas atividades, nesta quinta-feira (8), com o apoio do Ministério da Saúde, da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) e da Aliança Brasileira de Apoio à Saúde Renal (Abrasrenal), entre outros órgãos e entidades.

O Deputado Federal Ruben Otoni é um dos parlamentares que compõe o comando da frente. Segundo Otoni os deputados vão trabalhar pelo aumento no número de transplantes e de doadores de órgãos no País e pela superação das dificuldades diárias enfrentadas pelos profissionais da área.

O incentivo a campanhas preventivas de saúde e às chamadas terapias substitutivas, como diálise e homodiálise, no caso dos rins, por exemplo, também é um dos objetivos da frente.

Em números absolutos, o Brasil só fica atrás dos Estados Unidos na realização de transplantes de órgãos no mundo. A relação entre transplantes e número de habitantes, entretanto, faz o desempenho do País desabar. De janeiro a junho deste ano, foram realizados 3.770 transplantes, porém cerca de 32 mil pacientes ainda aguardavam a vez na lista de espera.

As maiores filas são relativas a rim (19.249), córnea (10.386), fígado (1.448), pâncreas (461), coração (235) e pulmão (201), segundo o Registro Brasileiro de Transplantes (RTB). Além desses órgãos, o País também realiza transplantes de medula óssea e cartilagem.

Dificuldades
O presidente da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, Luís Pacheco, elogia o fato de o Sistema Único de Saúde (SUS) custear a maior parte das cirurgias no país, porém ressaltou que há gargalos que precisam ser superados. "Quem espera fígado morre na fila esperando.

Os que esperam coração e pulmão ficam ligados a uma máquina até transplantar e vão morrer em breve se não houver transplante”, explicou. “O Brasil tem um programa de transplante enorme, que dá orgulho, mas, se a gente olhar o tamanho do País e as necessidades da população, a gente ainda tem muito a fazer", acrescentou.

O coordenador-geral do Sistema Nacional de Transplantes (SNT) do Ministério da Saúde, Eder Borba, salientou que nos Estados Unidos, líder em transplantes no mundo, as cirurgias são privadas, diferentemente do Brasil. Borba reconheceu, no entanto, dificuldades a serem superadas no País, como a concentração de transplantes nas regiões Sul e Sudeste.

Orçamento

A frente parlamentar prometeu empenho para lutar também contra o corte de recursos orçamentários, o atraso no repasse de verbas, o subfinanciamento e outros gargalos do setor. Hoje, o Sistema Nacional de Transplantes conta com apenas 20 funcionários.

Os deputados também pretendem apresentar emendas ao Orçamento da União para socorrer algumas unidades de saúde em crise, como é o caso do Hospital do Fundão, que pertence à Universidade Federal do Rio de Janeiro. A instituição foi uma das pioneiras na realização de transplante de órgãos no País, porém teve alas recentemente fechadas.

Sobrevida

Alguns médicos transplantadores compareceram ao lançamento da frente e elogiaram a iniciativa. São os casos da coordenadora de transplantes do Hospital São Francisdo de Assis, no Rio de Janeiro, Deise de Boni Carvalho; e do diretor-geral do Fundão, Eduardo Côrtes. Eles destacaram que, quanto mais cedo o transplante de órgão, maiores são as chances de sobrevida do paciente.

Também compõem o comando da frente os deputados Roberto Sales (PRB-RJ), Vinicius Carvalho (PRB-SP) e Christiane de Souza Yared (PTN-PR).

 

Comunicação Deputado Federal Rubens Otoni

 

Instalada na Câmara frente parlamentar de incentivo à doação de órgãos – CÂMARA NOTÍCIAS

Matéria divulgada em Saúde, CÂMARA NOTÍCIAS – 08/10/2015.

Instalada na Câmara frente parlamentar de incentivo à doação de órgãos

Matéria divulgada em País, www.jb.com.br – 08/10/2015.

Por que Frederico Jayme para prefeito de Anápolis

Matéria publicada em Opinião Pública, Diário da Manhã – 08/10/2015.

FGTS vai investir R$ 8,1 bi em moradia

O programa Minha Casa Minha Vida vai receber R$ 8,1 bilhões do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para o financiamento de imóveis até 2016. Os beneficiados serão famílias com renda mensal de até R$ 1,6 mil.

Somente para este ano foram autorizados pelo Conselho Curador do FGTS, R$ 3,3 bilhões para financiar cerca de 80 mil moradias na Faixa 1 do Programa, direcionada a famílias de baixa renda.

Segundo o ministro do Trabalho e da Previdência Social, Miguel Rossetto, que presidiu sua primeira reunião à frente do Conselho, a medida tem como finalidade alcançar as famílias na Faixa 1 do programa habitacional, possibilitando a manutenção de geração de empregos no setor da construção civil e a garantia da habitação às famílias de baixa renda.

Em 2015, o subsídio é de 80%, até o limite de R$ 45 mil reais por habitação. Para 2016, o subsídio será de 60%, até o limite de R$ 45 mil reais por habitação.

“É uma medida excepcional, que assegura o subsídio ao MCMV no Faixa1 e garante a continuidade do programa, que vai beneficiar em 2015 e 2016 um total de 225 mil famílias de baixa renda na conquista de sua moradia”, finalizou Rossetto.

Comunicação Deputado Federal Rubens Otoni